05 abril 2012

...AINDA SOBRE O DIA 29 DE MARÇO DE 2012...


A imagem ilustra de forma inquestionável duas gerações, e duas situações distintas. Ela jorra abundante luz sobre dois personagens que representam a situação como um todo.

Personagem da esquerda (literalmente)
Nome: Desconhecido
Histórico: Desconhecido
Linguagem corporal: Inseguro, fala de longe e com olhar baixo, como se estivesse ensaiando um "mantra". Artificial. A flexão curta do dedo indicador também indica insegurança ou dificuldade para conciliar a gesticulação, falseada com as frases decoradas. A incapacidade de realizar as duas tarefas simultâneas denota uma doutrinação precoce.


Personagem da direita (literalmente)
Nome: Coronel da arma de Artilharia do Exército Brasileiro Amerino Raposo Filho
Idade: 90 anos
Histórico: Comandante da Linha de Fogo da 2a. Bateria do III GO 105, do Cap Walmicki Ericksen, que cumpriu a derradeira missão de combate da Artilharia Divisionária da Força Expedicionária Brasileira - FEB, disparando o último tiro na Itália, em apoio de fogo na região de Collechio/Fornovo ao cerco e rendição da 148ª Divisão de Infantaria alemã e da Divisão Bersagliere "Italia", evento este até hoje comemorado no atual aquartelamento do Grupo Bandeirante de Barueri-SP, a cada 29 de abril.
Atual VP do CEBRES, o Cel Amerino, da Turma de 1943 da Escola Militar do Realengo, foi voluntário para a FEB, possuindo 16 condecorações, inclusive a Cruz de Combate, e na FEB tirou o curso de Esquiador e Alpinista junto a Mountain School - 10th Mountain Division/Vth USA Army.

O Coronel Amerino Raposo Filho, então Capitão de Artilharia do Exército na Força Expedicionária Brasileira (FEB), é protagonista de uma página gloriosa do Exército Brasileiro E DA HISTÓRIA MILITAR DA HUMANIDADE, quando rendeu, com apenas 600 homens, cerca de 16.000 nazi-fascistas comandados por três generais de divisão.

Expressão corporal: Sereno como todo ser humano que um dia já atravessou chuvas de chumbo e barragens de aço fervente. Calmo, como um gigante seguindo a sua senda. E, certamente muito triste por ver o estato de uma juventude que ele não exitaria em dar a sua vida para salvá-la.

Resumo: O ato mais digno que o citado militante poderia fazer, seria procurar o coronel e de joelhos pedir desculpas a um dos maiores heróis de nossas terras. Irá se surpreender, pois certamente o coronel irá levantá-lo e dar-lhe um abraço. Não há rancor entre os militares, somos todos brasileiros e o perdão é algo que praticamos com freqüência.

REFLITAM SOBRE ISSO: QUAL O FUTURO DA NOSSA SOCIEDADE?

0 Comments:

Postar um comentário

Links para este post:

Criar um link

<< Home