02 abril 2006

AS MAZELAS DO SOCIALISMO


É curioso como no Brasil se formou um campo fértil para as boçalidades e para o atraso político-ideológico por conta das intervenções de intelectuais de visão estreita e enviesada que fermentaram, no rancor e na vingança do exílio, doutrinas canhestras copiadas de medíocres carbonários agarrados em utopias velhas de um século; uns ignorantes que disfarçam a própria estupidez em ideologia.

No Brasil, segundo estes intelectuais , ser “de esquerda” é chic, dá status, enquanto ser “de direita”, capitalista, é tosco, truculento e “feio”.

Vivem uma realidade que já não existe mais, são os “saudosistas da canoa furada”, que “amam” a URSS, a China, a Coréia do Norte e Cuba; entretanto para lá não vão, preferem viver aqui.

Essa gente acha bonito o discurso populista, a retórica, a manifestação das massas, o “povo na rua”, desde que “eles” (povo) lá nas ruas e “eu” aqui da minha cobertura, com meu robe de seda, pantufas nos pés e um scotch “on the rocks” nas mãos.

Não podemos esquecer que com a queda do Muro de Berlim e do império soviético, os socialistas órfãos se viram desesperados atrás de alguma ideologia nova. Alguns viraram simplesmente anti-capitalistas patológicos, procurando qualquer sintoma de “doença” no outro lado para poder “justificar” o fracasso geral, e não só do socialismo.

Nessa cruzada emocional vale tudo, desde mentiras escancaradas até manipulações pérfidas.

Outros acabaram adotando um vermelho desbotado, a tal “terceira via”, muitas vezes apenas uma rota diferente para o mesmo destino: Estado totalitário!


Assim, a social-democracia vai pregando, em nome de nobres fins, sempre o aumento do Estado como meio. As mazelas costumam ser terríveis e são inúmeras, mas aqui vamos procurar mostrar as principais.

Em primeiro lugar, o próprio peso do “Estado benfeitor” recai sobre a sociedade, posto que riqueza não cai do azul. Alguém tem que trabalhar, produzir. Mesmo em nações onde a natureza de fato contribuiu muito, com vastos recursos naturais, o sustento dessa mega burocracia estatal asfixia a iniciativa privada. Os escandinavos seriam um bom exemplo, já que são muitas vezes citados como sucesso irrefutável da social-democracia. Há um grande mito nisso.

Os escandinavos já foram bem mais ricos, em termos relativos, antes do crescimento estatal. Fora isso, possuem muita riqueza natural, como o caso norueguês, onde o petróleo responde por elevado percentual das exportações. Ainda, possuem razoável liberdade econômica, o que garante algum crescimento. Entretanto, o peso tem sido sentido, e reformas liberalizantes, como privatizações de estatais e queda de barreiras protecionistas, têm sido adotadas. São relativamente ricos a despeito do Estado grande, mas não por causa dele.

Não obstante, vemos que a Suécia, por exemplo, tem renda per capita menor que a dos negros americanos, grupo sócio-econômico mais pobre dos Estados Unidos. As nações escandinavas entrariam atrás do estado americano mais pobre em termos de renda per capita.

Mas alguns vão argumentar que o “Estado protetor” fornece quase tudo grátis, e de boa qualidade. Infelizmente, tal afirmação é falsa também.

Quando a coisa aperta, os indivíduos buscam sempre a iniciativa privada, com melhor qualidade. Pagam dobrado pelo serviço. A insatisfação popular com os serviços públicos é crescente por lá, como seria de esperar. O welfare state de tal magnitude é simplesmente insustentável no longo prazo. Hoje, estima-se que quase 40% da população da Dinamarca vive de “esmolas” estatais. Um terço seria de aposentados.

Como para manter o inchado aparato estatal os impostos são astronômicos, há pouco incentivo para produção, e cada vez mais empresas buscam alternativas fora do país. O peso dos parasitas fica absurdo, impossibilitando que cada vez menos hospedeiros possam sustentá-lo. A população praticamente não cresce, a expectativa de vida aumenta, as regalias estatais permitem aposentadorias precoces e bem remuneradas, e a carga tributária inibe o crescimento econômico. Trata-se de uma verdadeira bomba-relógio, um acidente pronto para acontecer. Não é à toa que diversos desses países estão fazendo reformas na previdência. Essa combinação explosiva tem, aos poucos, cobrado seu preço, com baixo crescimento econômico e aumento forte da criminalidade.

Outro reflexo desse modelo social-democrata é o chamado “brain drain”.

Intelectos brilhantes, mentes inovadoras, jovens determinados, acabam todos migrando para um país mais livre, com maior incentivo à produção, com menor intervenção estatal e carga tributária. Os sonhadores bem que gostariam que tais indivíduos fossem altruístas, e colocassem o tal “bem geral” acima do individualismo. Mas como os próprios sonhadores na prática, esses indivíduos são individualistas, e querem o melhor para si.

Não querem “dar duro” para sustentar burocratas. A Inglaterra, nos seus anos sombrios de namoro com o socialismo, sentiu isso na pele, com milhares de jovens migrando para as universidades americanas, e ficando por lá depois. Eis um item terrível para estimular a exportação.

E isso explica porque os socialistas sempre tentaram fechar as portas de saída de suas nações, culpando, ou perseguindo, os “ingratos egoístas” que porventura não queiram ficar no “paraíso”.

Com isso, vem a última mazela a ser abordada: imigração.

Se por um lado o melhor do capital humano foge desse tipo de sistema, buscando ares mais livres, por outro lado temos a atração de gente mais pobre, tentando uma carona na bonança estatal, “almoço grátis” todo mundo quer.
Como o welfare state já é insustentável até mesmo dentro das fronteiras, imagine se as porteiras forem abertas para imigrantes desesperados.

A única conseqüência plausível disso é uma explosão de xenofobia. E de fato, é o que estamos vendo na Europa.

A França vive este momento agora, a Espanha também tem sofrido com este processo. Imigrantes turcos, nigerianos, argelinos e de vários outros países mais pobres, têm tentado “invadir” as nações mais ricas e com amplo serviço de bem-estar social. Claro que isso desperta a revolta dos nativos, pois afinal, o “altruísmo” deles tem limite. A tensão cresce, e a xenofobia aumenta muito.

Os imigrantes que não conseguem emprego acabam como mendigos ou criminosos e não raro se voltam contra o Estado que os acolheu, provocando desordens e destruição. O problema adquire proporções alarmantes, e candidatos claramente xenófobos conquistam milhões de votos.

Culpa do welfare state.

Agora, a título de elucubração, vamos imaginar como estariam essas ricas nações social-democratas, caso tivessem que absorver milhões de imigrantes todos os anos, como os Estados Unidos absorvem. Imaginem se a Suécia tivesse milhares de cubanos entrando lá todo ano. Os EUA criaram mais de 1,5 milhão de empregos por ano nos últimos 15 anos, enquanto a Europa não criou nenhum emprego líquido.

Imagine como estará a Venezuela dentro de mais alguns anos, com o “Mercado do Povo” aniquilando a concorrência, a habitação coletiva aniquilando o direito de propriedade e o petróleo subsidiando o welfare state.


Será este destino que queremos para o Brasil? Vamos prestar atenção nas falas dos candidatos este ano: desconfiem daqueles que se intitularem “pai dos pobres”, ou “dos sem teto”, ou prometerem “ três refeições diárias”, ou “que vai criar 50 milhões de empregos”, “gente como a gente”, “raiz da terra”.
Isso não é ser chic, nem politicamente correto, tampouco ser popular, senão populista – é ser mentiroso, mesmo.

10 Comments:

Blogger Serjão said...

Alexandre: Obrigado pelo comentário lá no Blog.
Ela estar enojada da Política tudo bem, é enojante mesmo; Mas por que motivo ela iria querer brecar a escalada do marido? Isso não tem lógica, cara. A não ser que ele faça isso de maneira deliberada. Ou por não mais se entender politicamente com ele ou por outro motivo qualquer. É muito suicida esta postura para ter uma lógica apenas na coragem de ir para ou tudo ou nada. Abraços.
PS: É o tipo da coisa que a mídia formal não pode abordar. Por isso escrevi o post depois de pensar um bocado e não encontrar uma coerência. Abraços

10:32 PM  
Blogger Serjão said...

No Brasil, segundo estes intelectuais , ser “de esquerda” é chic, dá status, enquanto ser “de direita”, capitalista, é tosco, truculento e “feio”.
jà escrevo sobre isso. É o principal legado da longevidade inadequada da ditadura militar.
Abração;

10:35 PM  
Blogger Star said...

Alexandre,

Não posso ficar sem suas aulas e análises claras dos nossos dias.
Não me passa nada pela cabeça que justifique esses intectualóides, a não ser o fato que na maioria dos casos, nunca tiveram de dar duro para viver, nunca tiveram que lutar muito por nada, porque receberam de suas famílias, os “nomes”, tradição, relações socias, o que lhes permitiu uma vida fácil. Pessoas assim, não acostumadas à luta, a conquista por seus próprios méritos, acham que tudo cai do céu, porque para eles caiu.

2:07 AM  
Blogger Marcello said...

Alexandre,

Muito boa tua análise de um assunto bastante indigesto, na minha opinião.

Abraços e uma excelente semana.

Marcello.

5:05 AM  
Anonymous Sérpico said...

Precisamos lutar contra essa ditadura petista que nos oprime e que está acabando com o Brasil. Agradeço a visita ao nosso blog. Autorizo desde já que nosso blog seja linkado e aproveito para comentar que seu blog e seus post são excelentes. Estaremos linkando seu blog ao nosso também. A LUTA CONTINUA. BRASIL EM PRIMEIRO LUGAR!

1:17 PM  
Anonymous Saramar said...

Alexandre, meu mestre, boa noite.
Mais uma aula magnífica e uam análise completa,da flácia denominada socialismo.
Obrigada.

Beijos

7:21 PM  
Blogger Vinicius Factum said...

Vou ler com calma depois. Nesse momento foi uma leitura dinâmica.

Abs,

Vinicius Factum
Blog de um Cidadão

9:19 PM  
Anonymous Tambosi said...

No Welfare-State não cabe mais ninguém. Mal está dando para a turma da casa, envelhecida e aposentada. Mas, como a natalidade está diminuindo drasticamente em quase toda a Europa, eles vão ter de "engolir", com ou sem xenofobia, os que para lá vão fazer o trabalho duro e sujo.

Abs.

9:41 PM  
Anonymous Anônimo said...

Cool blog, interesting information... Keep it UP Usaa owner insurance home Oklahoma laser dentist Can you take lexapro with food 180sean financial planning sexy geschichten bdsm stories meine phantasien Water bed heate Quit smoking jacksonville fl scholarships without essay Wheelchair ramp design plans california medical malpractice insured decision to settle http://www.online-propecia.info/Texas-star-legal-malpractice.html Pain relief shoes Incorporate ann arbor Control parental review

3:51 PM  
Anonymous Anônimo said...

best regards, nice info film editing schools

5:00 PM  

Postar um comentário

Links para este post:

Criar um link

<< Home