02 março 2006

UMA BOFETADA COLETIVA

Estamos vivenciando um fenômeno bastante curioso sob o ponto de vista sociológico a partir da evisceração da crise que se arrasta por longos nove meses.
Do seu início, após as denúncias do então Deputado Federal Roberto Jefferson a um jornal, deflagradas em resposta a uma matéria veiculada em rede nacional de televisão onde um funcionário dos Correios recebia “uma graninha” (“módicos” R$ 3.000,00), de dois empresários que concorriam em processo licitatório, até os episódios da sessão do Supremo Tribunal Federal que tentava julgar mais um Mandado de Segurança do Deputado Federal José Dirceu, a última sessão plenária do Senado Federal de 2005 onde “partidos de oposição” se propunham a obstaculizar a votação do Orçamento Anual condicionando-o ao julgamento político pela Câmara do processo daquele parlamentar, assistiu-se a inúmeras agressões ao ideário de um povo que um dia pensou que “a esperança tivesse vencido o medo” e ao escárnio sobre os que divergiram desse pensamento no pleito de 2002.

Quem imaginou que a sem-vergonhice tinha acabado ali se enganou de forma retumbante: ainda assistiríamos aos “habeas corpus” preventivos e as liminares do STF contra a quebra do sigilo dos fundos de pensão e do “amigão” Paulo Okamoto; aos depoimentos bombásticos da CPI dos Bingos e a entrevista do presidente ao jornalista Pedro Bial, além de tantas outras fanfarronices e declarações debochadas de nossos políticos e principalmente do “alienado-mor” – aquele que nada sabe: o “ONI-AUSENTE”.

Nem aqueles não eleitores do PT tinham noção, naqueles últimos dias de maio e início de junho do ano passado, que o Brasil sofreria tamanha transformação social, em face da indignação e revolta que se fez sentir nos corações e mentes da população como um todo, posto que as sucessivas denúncias de corrupção e aparelhamento do Estado brasileiro começaram a se mostrar evidentes com o início e comprovadas com o aprofundamento das investigações. Mas o pior ocorreu com aqueles que acreditaram e votaram no PT. Estes receberam, permitam-me a utilização do termo, “uma bifa” que os deixou desnorteados. Seu poder de recuperação não foi uniforme, mas do “CTI” a grande maioria já saiu, contudo está muito difícil reconhecer o erro ao qual foram induzidos, seja por uma estratégia de marketing eficaz e poderosa, seja pela tibieza de seus oponentes que não possuíam as mesmas “armas” para equilibrar tal disputa.

Difícil sim, recuperar-se de tal traição – este o termo correto – que arrebatou o imaginário de mais de 53 milhões de brasileiros com uma promessa de “ser diferente” e se mostrou pior que seus antecessores, e todos sabemos em nosso íntimo como é constrangedor reconhecer um erro, como nosso inconsciente é crítico na hora do julgamento de “nós mesmos”, o “nosso supremo tribunal” é implacável.

Culturalmente o Brasil é o “país do jeitinho”, um notável dirigente francês em visita a nossa terra declararia sua observação deste fenômeno social brasileiro; consolidado na década de 70 pelo ex-jogador de futebol tri-campeão Gérson, a qual ficou nacionalmente conhecido como “Lei de Gerson” (impropriamente atribuída ao atleta devido a uma propaganda de cigarros da época).
Vale tudo para se obter vantagem em tudo, é a aplicação pura do ideal de busca pelo prazer “hobbesiano”; o viés dessa cultura está justamente no ponto em que os bens do prazer humano são limitados e a busca indiscriminada por todos ao mesmo tempo leva a sociedade ao caos e a corrupção. Suas ferramentas são a intimidação direta ou indireta, o tráfico de influências e as trocas de favores que se valem de “mercadorias políticas” para obtenção de vantagens pessoais. É óbvio que todas essas condutas são nocivas e paradoxais para com a atividade política, pois as instituições que tem como missão mediar as relações sociais, criando, aperfeiçoando e aplicando as regras de convivência não podem ser refém de ideais mesquinhos e individualistas, sob pena de tornarem-se, até, despóticas.

A promiscuidade entre o público e o privado, extraído de forma sórdida de algum “artigo” da “Lei de Gerson”, foi urdida por mais de 20 anos pelos atuais protagonistas dos escândalos que se sobrepõem a cada dia e representa o “tabefe” desferido pelo governo.

E o povo?

Ah, o povo. Esse tem que se submeter ao julgamento do “supremo tribunal individual” e buscar uma “cura”, mas dispensando os "curandeiros" por favor, para amenizar o rubor deixado em sua face por esta bofetada coletiva.

8 Comments:

Anonymous Saramar said...

Alexandre, boa noite.
Você foi absolutamente preciso ao se referir à bofetada desferida pelo PT no país inteiro e não apenas em sua militãncia e seus acólitos.
Esta é uma bofetada cuja dor demorará anos para ser mitigada.

Quanto ao oni-ausente...rsrsrsrs, foi demais.

Beijos

10:42 PM  
Blogger Moita said...

Alexandre

No Brasil nunca poderemos adotar a prática de se pegar o jornal e deixar o dinheiro, como ocorre em muitos países do mundo.

Por quê? Por tudo que vc falou e muito mais.

abs

9:54 AM  
Blogger Ozéas said...

É meu amigo, a indignação é geral, mas o "povo", como você colocou, pode ser dividido em três, os que sabem mas não se importam, os que não sabem e os que sabem e se importam.
Acho que das três categorias, estamos na minoritária.
Abç

5:25 PM  
Blogger Star said...

Alexandre,

Como já comentei no blog da Saramar, mudar tudo isso depende de cada um de nós, justamente abandonando esse jeitinho e fazendo a nossa parte para podermos cobrarmos que cada um faça a sua.
Não há nenhum messias e nenhum salvador para livrar a nossa cara, ou mudamos ou continuaremos sujeitos a esses bandidos.
Infelizmente acho que a maioria não tem cabeça para compreender que cada suposta vantagem que leva aqui, perde o triplo acolá, mas vamos continuar lutando para mudar, um dia quem sabe.

Beijo

2:03 AM  
Blogger Moita said...

Alexandre

Os Incas e Maias, apesar de separados no espaço, acreditavam igualmente que um dia Deus chegaria, montando um cavalo branco, para elevá-los aos Céus.

Por coincidêcia, Fracisco Pizarro apareceu num cavalo branco e virou o Demônio eliminando quase todos os Maias.

Será que nossos indios também não tinha essa esperança de esperar um "salvador"?. Não tenho esse conhecimento.

Mas o povo brasileiro age, exatamente, assim.

Abs

3:32 PM  
Blogger Alexandre, The Great said...

MOITA.

O que poderia fazer a diferença entre o povo e os índios seria algo chamado EDUCAÇÃO.

Uma coisa há muito tempo deixada no fundo do baú pelos diversos governantes da chamada "Nova República".

Infelizmente enquanto o Poder Executivo for exercido por "políticos" e não por "executivos", ainda teremos que nos conformar enquanto "massa ignara".

Um abraço,

4:23 PM  
Blogger Santa said...

Alexandre, fico impressionada com a sua capacidade de produzir textos e de grande qualidade. Tenho observado, a partir dos que já li, que pensa a crise na sua totalidade e isso ajuda muito na compreensão e crítica. Pergunto:estes textos são publicados em outras midias ou só aqui no blog?


Bjs

9:47 PM  
Anonymous Anônimo said...

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. Tx210 headset Mature costa rica Underwear lingerie asia Hot blondes in short shorts movies Beauty care face oily skin teen pubic blondes Shopping clothing swim wear bikini http://www.literotica-6.info/non_blondes_music.html Free porn mpegs long funkitron games Fat free ass cgi imgboard Free adult home mpegs Relajantes de esfinter anal blondes on blacks cumshots fiesta.com Ferrari buying details

1:46 PM  

Postar um comentário

Links para este post:

Criar um link

<< Home