17 maio 2006

É MESMO?

Quarta, 17 de maio de 2006, 15h12 Atualizada às 16h55

Depoimento de diretor do Deic foi vendido ao PCC, diz deputado.


O deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) informou na tarde de hoje que o depoimento do diretor do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) de São Paulo, Godofredo Bittencourt Filho, prestado em sessão reservada na última quarta-feira, na Câmara, teria sido vendido por ao Primeiro Comando da Capital (PCC).
O deputado integra a CPI do Tráfico de Armas e é vice-presidente da Comissão de Segurança Pública da Câmara.

Segundo a CPI, um funcionário terceirizado do Congresso, que trabalha no sistema de som em audiências, vendeu por R$ 200,00 uma fita com o depoimento de Bittencourt aos advogados de Marcos Camacho, o Marcola, um dos líderes do PCC. O funcionário foi identificado como Arthur Vinícius Pilastres.

De acordo com a Comissão, a cópia foi repassada pelos advogados ao líder do PCC, Marcos Willians Herba Camacho, o Marcola, pouco antes do início da série de ataques e rebeliões no Estado de São Paulo. A gravação afirmaria que a segurança em São Paulo estaria sob controle e que alguns presos de organização criminosa seriam tranferidos. Marcola teria ficado irritado e resolvido provar que SP não estava sob controle.

Arnaldo Faria de Sá afirmou que soube do vazamento pelo próprio diretor do Deic. Bittencourt foi surpreendido ao tomar o depoimento de Marcola, na última sexta-feira, e ouvir do preso as informações que foram passadas por ele aos deputados.

De acordo com Faria de Sá, a CPI do Tráfico de Armas chegou ao nome do funcionário depois de investigações do Departamento de Polícia Legislativa da Câmara (Depol), que repassou o nome de Pilastres ao presidente da CPI, Paulo Pimenta (PT-RS).

"Infelizmente um funcionário terceirizado do Congresso vendeu a informação ao PCC", afirmou Faria de Sá. Os advogados que teriam recebido a informação foram identificados pelo deputado como Sérgio Welsey da Cunha e Maria Cristina de Souza Machado.

O funcionário, que trabalhava pela empresa Adservice, foi afastado do serviço na sexta-feira. O motivo teria sido o desaparecimento de um equipamento do sistema técnico de som e não teria relação com a venda do depoimento, que foi descoberta somente esta semana.

(Redação Terra)

Dentre as aterradoras revelações da notícia, uma delas talvez possa passar despercebida por leitores desatentos, seja pelo desfoque do contexto, senão pela "conveniente amnésia" de alguns: trata-se do Presidente da CPI - Paulo Pimenta, "o probo".

Pelo episódio do recebimento de uma "lista fajuta" na garagem da Câmara, dentro do veículo do depoente, após audiência com Marcos Valério e seus advogados numa subcomissão da CPI da Compra de Votos, sendo êle o Vice-Presidente daquela CPI no ano passado, é INACREDITÁVEL que sua "punição" tenha sido a nomeação para a PRESIDÊNCIA da CPI do Tráfico de Armas.

Parafraseando o jornalista Boris Casoy: "Isto é uma VER-GO-NHA!"

7 Comments:

Blogger Kafé Roceiro said...

É muito difícil, né amigão?

7:32 PM  
Anonymous vera said...

É verdade, mas foi muito mais que os R$200. :-) Bjs

9:59 PM  
Blogger LCMarques said...

Alexandre, perdemos defin itivamente a vergonha NA CARA que deveríamos ter.
São tantos escândalos, se é assim que podemos chamr as coisas que estão acontecendo que perdemos a vergonha e tudo mais.
Não tenho receio nem dúvidas em falar que todos, todos os deputados e senadores tem alguma coisa que não permitam que eles se manifestem juridica e politicamente, sem medos.
Todos, todos mesmos estão com o rabo preso.
São denuncias para abafar outras denúncias, são suspeitos que não podem depor, são acusados que são protegidos, são declarações que criminalidade está associada ao desemprego, à pobreza, são consumidores de drogas os da classe média, enfim tem muita coisa errada e aculpa é exclusiva da classe média prá cima.
Ficar colocando como culpados os pobres virou o mote dos crimin osos.
Quem é esse tal de marcola senão um esclarecido?
A política assistencialista de 'dar o peixe' nada mais é a fábrica de futuros criminosos, ainda por cima defendidos pela intelectualidade.
Pobre não é ladrão!

Vamos imaginar se a imprensa, na confusão de SP, tivesse utilizado como manchete que os agressores dos prédios e servidores públicos estam sendo derrotados em vez de divulgar que mais um prédio tinha sido atacado com sucesso.
Os agressores, sabendo que a polícia estava matando, pensaria duas vezes em vez de atacar, afinal quem tem, tem medo.
Ocorre que a mídia sempre dá a vitória para os bandidos...

10:33 PM  
Blogger LCMarques said...

Só fui ler o desabafo depois de publicar, desculpem os erros, foi a indignação.

10:35 PM  
Blogger Alexandre, The Great said...

À vontade, Luiz Carlos.

O pressuposto do blog é justamente esse. Vc apenas extravasou sua indignação, a qual, forçoso dizê-lo, é a mesma de milhões de brasileiros.

11:55 PM  
Blogger Star said...

Alexandre,

O desabafo do Luiz Carlos é perfeito.

O crime organizado não nasce da pobreza e nem do analfabetismo. Nasce nos meios intelectuais muito bem formados, informados.

Beijo

2:25 AM  
Anonymous Anônimo said...

Keep up the good work » » »

6:36 AM  

Postar um comentário

Links para este post:

Criar um link

<< Home